Olá Visitante,

Períodos nublados

São Ludgero

35° 21°

Notícias / Geral

Enem 2018: provas abordam violência contra a mulher, ditadura, racismo e dialeto de travestis

Consolidando a tendência do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dos últimos anos, a prova deste domingo (4) abordou temas de cunho social.

Repórter Sul é autor deste post!

Publicado por Repórter Sul em 05/11/18 08h23
0 Comentários

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Google Plus
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Enem 2018: provas abordam violência contra a mulher, ditadura, racismo e dialeto de travestisFoto: Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Consolidando a tendência do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dos últimos anos, a prova deste domingo (4) abordou temas de cunho social. Dentre as 90 perguntas das provas de Ciências Humanas e de Linguagens (45 para cada), foram tratados temas como feminicídio, racismo, ditadura militar, refugiados e até o pajubá, dialeto criado por travestis. 

O próprio Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável por elaborar o Enem, homenageou a escritora mineira Conceição Evaristo. Negra, ela é conhecida por discutir o racismo presente na sociedade brasileira. Trechos da autora estavam na prova. 

Uma questão na prova de inglês tratava do romance 1984, do escritor inglês George Orwell. O livro trata de um futuro onde o Estado é totalitário e censura o livre-pensamento da população. Na de espanhol, o livro Los Hijos de los Días, de Eduardo Galeano, trata de protestos feitos por jovens na Espanha. 

Professor de geografia e gerente pedagógico do Descomplica, Cláudio Hansen classificou a prova como "médio-difícil" – mais pelas poucas questões fáceis do que por uma maior presença de perguntas muito difíceis. Ele diz que a avaliação exigiu interpretação de texto e conhecimento de atualidades. 

— A prova deste ano trouxe assuntos contemporâneos: a democracia enquanto sistema político, os governos civis e militares, a era Vargas… Mas gênero, política e a cultura negra ganharam destaque importante. Havia questões sobre escravidão, a linguagem comum das travestis, a crise de refugiados. Só a questão indígena ficou de fora — afirma. 

Na parte de história, havia questões sobre escravidão, Era Vargas, Primeira República e o governo militar do general Ernesto Geisel. Uma pergunta exigia conhecimentos sobre o apartheid nos Estados Unidos – sem, contudo, especificar o momento histórico. Em geografia, clima e hidrologia foram cobrados com maior profundidade.

A prova de Linguagens exigiu muita interpretação de texto, mas não trouxe grandes surpresas, diz Eduardo Valladares, professor do Descomplica. Ele afirma que os estudantes tiveram que demonstrar conhecimentos sobre funções da linguagem e comparar textos artísticos entre si. 

— Para cada questão, havia um texto, o que pôde tornar a prova cansativa. Mas não havia perguntas impossíveis. A prova abordou bastante a questão das minorias. Uma pergunta falava sobre a linguagem das travestis, o pajubá. Outras abordaram a violência contra a mulher, mostrando para você denunciar. Já outra falava sobre a mulher não ser incluída no futebol. Havia ainda uma sobre deficiência visual — diz o professor. 

Uma pergunta em específico trazia o resumo de um texto acadêmico sobre o estereótipo da negra e do negro em produtos de beleza. Dentre os autores brasileiros citados estavam Guimarães Rosa.

O tema da redação foi "manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet". O assunto foi considerado, por analistas, complexo, mas atual.

Diário Catarinense

Comentários

Olá, deixe seu comentário para Enem 2018: provas abordam violência contra a mulher, ditadura, racismo e dialeto de travestis

Enviando Comentário Fechar :/