Publicidade

Colocação de grades em frente a entrada Igreja gera polêmica



Colocação de grades em frente a entrada Igreja gera polêmica
Foto: Divulgação

Local usado por moradores de rua para pernoitar, a marquise lateral da igreja Nossa Senhora de Fátima, no bairro Humaitá, em Tubarão, passou a ter grades. A decisão de fechar o espaço foi tomada pela diretoria como forma de ter mais segurança. A medida foi colocada em prática essa semana. A mudança causou discussão.

Segundo o pároco da igreja, padre Nilo Buss, estavam sendo registradas situações inoportunas no local. “É um direito de proteção que temos. Proteção do patrimônio”, fala o padre, ao citar que a decisão foi do grupo. Moradores dos arredores da igreja também reclamavam da sujeira que era deixada no local pelas pessoas que por ali passavam à noite. 

Com a colocação das grades, o assunto se tornou discussão nas redes sociais. Voluntários que prestam auxílio a moradores de rua questionaram a situação. “As igrejas de Tubarão, aos poucos, estão ficando assim: com grades para não servirem de abrigo a moradores de rua. Não passa pela cabeça de quem faz isso que talvez eles busquem dormir na igreja por se sentirem mais seguros lá?”, indaga uma voluntária. 

Ainda sobre a discussão, há quem opinou sobre a sensação de insegurança no espaço. “É uma situação complicada. Porém, devemos ver os dois lados da moeda: existem aqueles que não têm para onde ir e ficam ali nos sobrados das igrejas. Mas há também problemas com drogas, prostituição e etc. É complicado isso”, opina uma tubaronense.


Força-tarefa de Conseg busca alternativas

Numa tentativa de aproximação com os moradores de rua, para que possam buscar uma maneira de voltar para suas casas, o Conselho Municipal de Segurança de Tubarão  (Conseg) irá, toda última sexta-feira do mês, realizar uma força-tarefa pelas ruas da cidade. A ação será voltada para atendimento de saúde como forma de aproximação. 

“Sabemos que muitos desses moradores estão doentes e precisam de atendimento ambulatorial. Não vão para os albergues porque não querem seguir regras. Por isso, vamos buscar, através dessa ação, uma maneira que eles possam confiar na equipe e, através dela, tentar resgatar sua vida, de onde vieram, por exemplo”, fala o presidente do Conselho Municipal de Segurança de Tubarão, Maurício da Silva. 

A decisão, conforme Maurício, foi acertada essa semana com o conselho. Sobre as grades colocadas na porta lateral da igreja, o presidente destaca que cada propriedade tem o direito de se proteger. “O conselho tenta ajudar essas pessoas. Muitas não querem. Não podemos forçar a sair dos locais. Eles têm o direito de ir e vir. O que podemos é promover ações que possam ajudá-los a voltarem para suas casas”, opina.

Informações do Diário do Sul